domingo, 10 de março de 2013

A caixa preta do TDAH

Há alguns dias venho me questionando sobre os principais sintomas do TDAH e DPAC que não vão embora, por mais que eu tente...
Ao longo da vida, aprendi sozinha como lidar com eles, mas não a expulsá-los ou exterminá-los...
Agora, na fase adulta, venho contando com ajuda profissional e especializada e tentando aprender novas formas de lidar com esse transtorno...
Mas pergunto: como amenizar algo que é denominado como transtorno ou distúrbio?
Como lidar com algo que significa pertubação, desconcerto, prejuízo, contratempo, desarranjo, desordem?
A resposta, neste momento, me parece lógica: aceitando tal desordem e prejuízo como normais. Afinal, se o desarranjo é algo contínuo e ordinário na nossa vida, para nós ele é normal.
Então, o anormal seria a ordem em nossas vidas... e só nós sabemos como é difícil e exaustivo transformarmos algo anormal para gente, mas comum para os demais, em normal.
E essas inúmeras tentativas em aparentar ser normal nos torna cada vez mais distantes do anormal, mas no fundo sabemos que nunca seremos normais.
Por outro lado, se pensarmos bem, o normal é ser diferente, ninguém é igual a ninguém.
E, justamente por isso, que temos que entender que por seremos diferentes precisamos de coisas diferentes para despertarmos o nosso potencial.
Por isso, gostaria de contar com a colaboração de todos para tentarmos facilitar a vida dos tdah e dpac adultos.
Postem suas principais dificuldades no trabalho e faculdade, para podermos identificar a melhor forma de rendermos.
Vamos nos unir para incluir!
Chega de tdahs e dpac excluídos da vida acadêmica e profissional!