segunda-feira, 9 de setembro de 2013

A difícil arte de domar a mente tdah

Hoje foi mais um dia de cegueira mental...
Sabe aqueles dias em que nos sentimos perdidos no meio de tantas ideias, sonhos e obrigações tediosas?
Fico totalmente cega, sem saber para onde ir, o quê fazer, por onde começar...
Minha cabeça fica tão cheia de pensamentos que não consigo mais distinguir no que exatamente estou pensando...
Ela se torna numa mistura de pensamentos e sentimentos tão diferentes que chego no ponto de não saber no que estou pensando. O pior que isso dura quase o dia inteiro... 
Por várias horas fico postergando as coisas e sei que estou fazendo isso; ai começo ouvir minha mente dizer vai descansar um pouquinho, você está muito cansada... E por horas ignoro esse alerta, mas já houve um tempo em que ficava dias me ignorando.
Mas, atualmente, não tenho deixado a situação chegar a esse ponto e minha salvação tem sido as meditações do youtube que ouço diariamente. Só elas conseguem dar um restart na minha mente, e, para isso, eu preciso ficar quieta no meu quarto, deitada e repetindo para mim: fico feliz por você ter tirado um tempo só para você hoje (senão o sentimento de culpa começa a tomar conta de mim kkkkk).
É não é nada fácil encontrar a saída do labirinto quando sequer se sabe que está nele...
Não é fácil sentir-se perdida de si e é essa sensação que tenho quando tudo isso ocorre. Sinto me asfixiada por pensamentos que me sufocam ou por ideias complexas demais para saber por onde começar... isso tudo me deixa exausta e sem poder de reação. 
Mas, percebi que o hábito de me permitir relaxar com meditações me tira mais rápido desta cilada do TDAH.
É impressionante como nós TDAH mudamos de pensamento e sensações num piscar de olhos! 
O que é muito ruim... 
Mas também pode ser bom! 
Ora se a gente muda de estado de humor mais rápido que a velocidade da luz, temos que criar uma rotina que mude a frequência da nossa avalanche de pensamentos!
E ai que entra a meditação e a repetição automática de pensamentos permissivos e positivos. 
Já estou fazendo isso há mais de um mês e tenho produzido melhor, mas é claro que o TDAH não sumiu e continua me deixando ansiosa, desastrada, desatenta, esquecida, exausta etc. 
O que mudou foi como eu passei a lidar com a minha condição de portadora de TDAH e DPAC.
Estou tentando aceitar o fato de ser mais devagar de que os outros, apesar de parecer ser muito mais  rápida que a grande maioria...
Estou procurando aprender a seguir o meu ritmo e não o dos outros...
A única coisa que está faltando é conseguir levar adiante essa tática e persistir nela pelo menos por um ano.
Tomara que ela não me deixe entediada logo... seria bem típico do TDAH não acham? Kkkkkkk