segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Para o TDAH "disciplina é liberdade"?

Continuar abafando e calando minha voz interior, preenchendo o dia com rotinas ou me permitir ver o que habita dentro de mim, com atividades flexíveis?
Será que Renato Russo estava certo ao dizer que "disciplina é liberdade"?
Vamos começar divagar...
Primeiro: organizar o que está bagunçado é simples quando sabemos identificar o que está fora do lugar.
Segundo: para organizar temos que saber aonde devemos colocar a bagunça.
Conclusão: a organização depende da nitidez de que algo está fora do lugar.
Por isso, pergunto: é possível organizar desorganizando?
No momento acho que a resposta é sim, porque há momentos na vida em que temos que abrir algumas gavetas impecáveis de tão arrumadas, mas que não deviam estar onde estão.
Explicando melhor: as nossas repartições emocionais foram construídas de acordo com lições passadas por nossa família, amigos, escola etc. E, como, quando as aprendemos não podíamos contestá-las, criamos o hábito de colocar cada sentimento no lugar que nos mandavam... Então, criamos a crença de que era assim que tinha de ser.
No meu caso, coloquei os estudos e a profissão na caixa de primeira prioridade, porque aprendi que a vitória estava na conquista da admiração alheia. Criei a crença que a opinião dos outros sobre o meu valor estaria nesta caixinha preciosa. E de fato, essa crença tinha as suas verdades, porque a cada vitória acadêmica ou profissional eu via a mudança do olhar das pessoas. O antigo rótulo da garota rebelde, burra e irritada, como num toque de mágica, mudou para o da garota Sandy (politicamente correta).
Vejam como uma mudança apenas na área intelectual alterou radicalmente a visão dos outros sobre mim. E o desespero em ser aceita me tornou dependente da aprovação alheia...
Notem como a organização pode ser traiçoeira, por anos guardei, equivocadamente, a profissão na minha caixa mais valiosa. E, consequentemente, guardei o amor e a alegria de viver nas caixas erradas e apertadas que sobraram, porque a da profissão ocupava quase todo espaço do meu interior.
Por anos fiquei fazendo o que esperavam de mim e assumi responsabilidades que não eram minhas só para não perder meu prestígio com as pessoas...
Por isso, hoje tento me desorganizar, abrindo nos espaços, jogando fora tudo que não serve nas minhas caixas e quem sabe, se for necessário, vou me desfazer até destas... quem disse que meu interior deve ficar preso dentro de mim? Quem disse que não posso mostrar o que sou e não o que esperam que eu seja?
É, acho que minha liberdade não está na disciplina, até pq ela nunca foi natural pra mim. A não ser que seja uma disciplina criada por mim, de acordo com as minhas necessidades, capacidades, habilidades e limitações... porque se for a disciplina que aprendemos na escola, de fazer as coisas que todo mundo faz, do mesmo jeito, ela não vai me libertar e sim aprisionar!
Concluindo:
1. Se as coisas estão guardadas, mas no lugar errado: bagunçar é organizar.
2. A disciplina só  será sinônimo de liberdade, se ela for criada por você (ninguém melhor que a gente para dosar nossas atividades) e para você (porque não adianta fazer um roteiro de disciplina que seja impossível ser cumprido por você, não é porque funciona para alguém que dará certo para você).

Até porque, como diria Jean Sartre, "Cada homem deve descobrir o seu próprio caminho. "